Escolha uma Página

ASSIM NO PLURAL: um manifesto da NOSSA pré-candidatura

 

Vivemos num tempo histórico acelerado, onde se combinam distintas crises, ou melhor: distintos aspectos da mesma crise. Velhas estruturas desmoronam enquanto as novas ainda estão em gestação. Quanto mais o velho regime político insiste em se manter, mais ataca os direitos conquistados em lutas históricas das/os trabalhadoras/es oprimidas/os, em nome da manutenção de um sistema social que não tem mais nada a nos oferecer.

Ao mesmo tempo, as sementes de outra sociedade estão prontas para germinar. É tempo de preparar o terreno e lançar essas sementes de outro futuro possível. É tempo de juntar aquelas e aqueles que vislumbram esse futuro e botarmos a mão na massa, para que elas germinem e floresçam. Um momento instigante, que nos chama à responsabilidade e à ação. Portanto, o que fazemos aqui é, antes de tudo, um chamado: um chamado a pensar e agir juntos. É preciso começar, aqui e agora.

Aqui: São Paulo. Um estado que sintetiza muitas das contradições de nossa época. No estado com maior PIB e população do país, por que permanecem péssimas as condições de trabalho das/os operárias/os e trabalhadoras/es de serviços na capital e no interior? Nas cidades da ‘locomotiva do país’ por que tantas/os são obrigados a viver – ou a morrer – com frio, sem um teto digno ou mesmo sem teto nenhum, ao mesmo tempo que sobram imóveis fechados e terrenos vazios? Por que o transporte público é caro e ineficiente em quase todas as cidades, sendo que poderia ser uma das soluções dos problemas urbanos? No campo, por que a cana-de-açúcar e o latifúndio tomam conta de paisagens que poderiam servir de moradia e trabalho a milhares de famílias agricultoras, além de abastecer a mesa de todos os brasileiros? Num estado rico e cheio tantas potencialidades que ainda não se realizaram, os coronéis da política tradicional e os velhos políticos que se vendem como de novidade, como anti-políticos, querem nos fazer crer que eles são a única alternativa possível para a população.

Agora: 2018. Ano em que a crise econômica, da qual os ricos tanto falam, afetou muito mais duramente os mais pobres. A recuperação da economia é uma bravata do governo golpista. Os índices de desemprego e desocupação estão muito altos. Ano de cortes nos orçamentos, que só fazem atingir os direitos já precários da população, enquanto os ricos continuaram pagando poucos impostos e recebendo grandes incentivos dos governos. Parques estaduais são privatizados e o agronegócio promove cada vez mais destruição e não deixa espaço às agriculturas familiares e sustentáveis. É um momento em que ficou mais evidente a total falta de representatividade do regime político vigente, que responde apenas a meia dúzia de endinheirados e não ao povo que elege seus supostos representantes.

Mas se esse regime político não nos representa, por que participar dele? Porque somos muitos e muitas, frutos de várias lutas e movimentos, vindos de distintas cidades e realidades, e que se somam, aqui e agora, pra multiplicar a potência do nosso tempo e da nossa ação em nome dos nossos sonhos em comum. Sonhos estes que passam pela necessidade de modificar radicalmente o modo de se fazer política. Não queremos dar uma nova cara a um regime injusto; queremos, desde dentro dele, combater os ataques sofridos pela população e fortalecer as lutas daqueles que querem começar a mudar São Paulo para mudar todo o Brasil. Não começamos agora e não pararemos por aqui.

Aqui e agora convidamos você a conhecer e a se somar à construção desse processo, que neste momento se concretiza na candidatura de Djalma Nery ao cargo de Deputado Estadual na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) Um projeto que não é de um indivíduo, mas construído a muitas mãos, corações e mentes: um grupo que se propõe a construir um mandato coletivo, popular e ecossocialista. Devido ao formato institucional retrógrado e personalista, foi preciso escolher uma cara para este projeto: Djalma o expressa pela sua história de militância sempre construída segundo os princípios que aqui manifestamos.

Partimos do pressuposto de que é preciso radicalizar a democracia, com o objetivo de efetivar o direito de todas e todos a um poder públco que sirva à maioria das pessoas e não ao o lucro de poucos. Ocupar o legislativo estadual usando-o como ferramenta de ampliação das vozes dos oprimidos e explorados é parte dessa luta. Construir o empoderamento popular e a dignidade humana a partir das ferramentas de dentro e de fora das instituições!

O desafio está posto e o convite está feito. Temos a consciência de que não vai ser fácil, mas quem disse que seria? Estamos confiantes e felizes por saber que somos parte de um processo que inclui muitos movimentos, organizações, candidaturas e pessoas. Temos, acima de tudo, a consciência de que todas as ferramentas para construirmos os nossos sonhos estão em nossas mãos e que não vamos parar por aqui nem por agora. Vem somar com a gente!

São Carlos, Agosto de 2018